Projeto

Este Projeto pretende funcionar enquanto plataforma de registo oral, visual e documental da história do trabalho servil doméstico, bem como do trabalho hoteleiro. Foi criado  para que o possam visitar, partilhar, ou nele intervir (se assim desejarem deixar a vossa história particular ou familiar) bem como  reflectir sobre esta área de estudos. Todas as fontes recebidas e partilhadas através do site serão devidamente catalogados e anonimizados, respeitando escrupulosamente o pacto de confidencialidade que nos une a todos quantos queiram participar. O separador  do site “Conte a sua história”, permite a qualquer participante da comunidade a construção da sua narrativa liberta de qualquer guião. Desejamos profundamente torná-lo um espaço de (e para) todos. 

Equipa

Coordenação: Inês Brasão

Inês Brasão é Professora de Sociologia no Politécnico de Leiria desde 1997 e doutorada em Sociologia e Economia Históricas pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Em 1997, foi distinguida com o Prémio Carolina Michaelis de Vasconcelos pela sua dissertação na área de estudos sobre a mulher. Em 2011, obteve o Prémio Maria Lamas pelo estudo da condição servil doméstica em Portugal, o qual, em 2012, deu à estampa o livro “O Tempo das Criadas”, editado pela Tinta da China. Entre outros livros, publicou Fêmea, Uma história Ilustrada das Mulheres, Dons e Disciplinas do Corpo FemininoHotel, os Bastidores e Visões Cruzadas, Um Retrato da Lagoa de Óbidos. É investigadora integrada no IHC (FCSH-UNL) e CITUR, (IPL).

 

Manuel Abrantes nasceu em 1982, em Lisboa. Em 2008 concluiu mestrado em sociologia, na Universidade de Amesterdão Doutorou-se em Sociologia Económica e das Organizações, no Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa, com uma tese sobre as relações de trabalho no serviço doméstico contemporâneo. De 2018 a 2020, exerceu as funções de Técnico Especialista no gabinete da Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade. Presentemente, é sociólogo no CESIS - Centro de Estudos para a Intervenção Social e leciona no Programa de Mestrado em Estudos sobre as Mulheres da Universidade Aberta.

 

 

Nuno Dias é sociólogo, doutorado em Ciências Sociais pelo ICS-Universidade de Lisboa. Tem pesquisado e publicado sobre as relações entre migrações, segmentação do mercado de trabalho e género. Os processos de racialização em contextos coloniais e pós-coloniais e a ligação com modelos de  participação e de gestão da diversidade são também interesses de pesquisa. Tem coordenado projetos de avaliação de políticas públicas nos domínios das migrações e género e é Investigador Integrado do DINÂMIA’CET_iscte e Professor Auxiliar Convidado do Departamento de Sociologia da FCSH-UNL.

 

 

Daniel Alves é Professor Auxiliar no Departamento de História da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa, investigador no Instituto de História Contemporânea e no Instituto de Estudos de Literatura e Tradição. Coordena o Laboratório de Humanidades Digitais do Instituto de História Contemporânea e é o Editor da revista IJHAC: A Journal of Digital Humanities. Membro fundador da Associação das Humanidades Digitais, é consultor em projetos na área da aplicação de metodologias digitais à investigação histórica.

 

 

Joana Vieira Paulino é doutorada em História, especialização em História Contemporânea, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, sendo investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea. Venceu a primeira edição do Prémio História de Cascais - Ferreira de Andrade (2015) com a tese de mestrado sobre a Linha de Cascais: construção e modernização, e o terceiro prémio de jovens investigadores da Associação de Demografia Histórica com um paper sobre o abandono infantil na Lisboa Oitocentista. Interessa-se por História Urbana, Social e das Mentalidades, utilizando como ferramenta de análise os SIG. Atualmente é investigadora no Laboratório de Humanidades Digitais do Instituto de História Contemporânea.